Saúde

Pílula do dia seguinte: entenda como funciona e os efeitos colaterais

Foto: Reprodução

A pílula do dia seguinte é um método contraceptivo de emergência, usado apenas quando o método contraceptivo habitual falha ou é esquecido, e funciona atrasando ou inibindo a ovulação. As pílulas contendo levonorgestrel podem ser usadas até três dias após o contato íntimo e as com acetato de ulipristal, até cinco dias após as relações sexuais desprotegidas.

A eficácia diminui à medida que os dias passam e, por isso, o medicamento deve ser tomado o mais rápido possível.

Como funciona
A pílula do dia seguinte atua inibindo ou adiando a ovulação, dificultando a entrada do espermatozoide no útero e, possivelmente, na maturação do ovócito. Além disso, pode alterar os níveis hormonais após a ovulação. A anticoncepção oral de emergência não tem nenhum efeito depois que a implantação for completada, não interrompendo, neste caso, uma gravidez em andamento.

Quando e como tomar
A pílula do dia seguinte deve ser usada em casos de emergência, sempre que existir o risco de uma gravidez indesejada, como:

  • Relação sexual sem preservativo ou rompimento do preservativo;
  • Esquecimento da pílula contraceptiva regular, especialmente se o esquecimento ocorreu mais de uma vez na mesma cartela;
  • Expulsão do DIU;
  • Deslocamento ou retirada do diafragma vaginal antes do tempo;
  • Casos de violência sexual.

Para que a gravidez possa ser evitada, a pílula do dia seguinte deve ser tomada o mais rápido possível, inclusive em qualquer dia do ciclo menstrual.

Possíveis efeitos colaterais
Após o seu uso, a mulher pode sentir dor de cabeça, enjoos e cansaço. Depois de alguns dias, também pode notar alguns sintomas, como:

  • Dor nas mamas;
  • Diarreia;
  • Pequeno sangramento vaginal;
  • Antecipação ou atraso da menstruação.

Esses sintomas estão relacionados aos efeitos colaterais do medicamento, e é normal que a menstruação fique desregulada por algum tempo. O ideal é observar estas alterações e, se possível, anotar as características da menstruação para informar ao ginecologista.

Dúvidas comuns
1. Posso engravidar mesmo tomando a pílula do dia seguinte?

Apesar de ser indicada para evitar a gravidez indesejada, a pílula do dia seguinte não é 100% eficaz se tomada 72 horas após a relação sexual. Mas, quando o uso é feito no mesmo dia, é pouco provável que a mulher engravide – no entanto, ainda que baixa, existe essa possibilidade.

2. A pílula do dia seguinte atrasa a menstruação?
Um dos efeitos colaterais da pílula do dia seguinte é a alteração da menstruação. Assim, após tomá-la, a menstruação poderá ocorrer até 10 dias antes ou depois da data esperada. Na maior parte dos casos, a menstruação ocorre com uma variação de cerca de três dias para mais ou para menos em relação à data esperada. No entanto, caso o atraso se mantenha, deve-se fazer o teste de gravidez.

3. A pílula do dia seguinte aborta? Como funciona?
A pílula do dia seguinte não aborta. E ela pode funcionar de diferentes formas, dependendo da fase do ciclo menstrual em que for utilizada, podendo:

  • Inibir ou retardar a ovulação, o que evita a fecundação do óvulo pelo espermatozoide;
  • Aumentar a viscosidade do muco vaginal, dificultando a chegada do espermatozoide ao óvulo.

Assim, se já tiver ocorrido ovulação ou se o óvulo já tiver sido fecundado, a pílula não impede o desenvolvimento da gravidez.

4. Quantas vezes posso usar?
Esta pílula só deve ser usada esporadicamente, porque tem uma dose hormonal muito alta. Além disso, se a mulher tomar a pílula do dia seguinte mais de uma vez por mês, ela pode perder seu efeito. Por isso, este medicamento só é indicado para situações de emergência e não como método contraceptivo frequente.

5. A pílula do dia seguinte faz mal?
Esta pílula só faz mal se for usada mais de duas vezes no mesmo mês, o que aumenta o risco de doenças como câncer de mama, câncer de útero e de problemas em uma futura gravidez, podendo aumentar também o risco de trombose e de embolia pulmonar.

6. A pílula do dia seguinte causa infertilidade?
Não existe nenhuma comprovação científica de que o uso esporádico possa causar infertilidade, má-formação do feto ou gravidez ectópica.

7. A pílula do dia seguinte altera o funcionamento do anticoncepcional?
Não, por isso a pílula anticoncepcional deve continuar sendo tomada regularmente, no horário habitual, até o final da cartela. Após o fim, deve-se esperar que a menstruação desça. Caso o sangramento não aconteça, consulte o ginecologista.

8. A pílula do dia seguinte funciona no período fértil?
O período fértil é o momento do ciclo menstrual em que há maior probabilidade de ocorrer fecundação. Esse período começa cerca de 72 horas antes da ovulação, que é o tempo médio de vida de um espermatozoide, e acaba cerca de 24 horas depois, que é o tempo médio de vida de um óvulo.

9. A pílula do dia seguinte faz efeito caso ocorram relações sexuais desprotegidas posteriores?
Não. A pílula do dia seguinte não é um método contraceptivo e apenas deve ser tomada em situações de emergência. Caso a pessoa já tenha tomado uma pílula do dia seguinte, como método de emergência, e no dia posterior tenha relações sexuais desprotegidas, existe o risco de ela engravidar.

Comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Tapiraímg TV