Saúde

Anticoncepcional para homens passa em primeiros testes de segurança humana

Foto: Reprodução

A Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (26), durante o encontro anual da “Endocrine 2019”, realizado em Nova Orleans, que uma pílula anticoncepcional para homens passou em testes iniciais de segurança humana. Criado para ser ingerida uma vez por dia, os comprimidos têm hormônios desenvolvidos para impedir a produção de espermatozóides. Eles são testados por pesquisadores da Universidade de Washington e da LA BioMed.

No anúncio, os responsáveis explicaram que as pílulas podem ser uma alternativa a outros métodos contraceptivos, como os preservativos e a vasectomia – as únicas opções disponíveis para homens atualmente.

Apesar dos avanços na criança do medicamento, os pesquisadores destacaram que ele ainda pode levar uma década para chegar ao mercado.

Os participantes da conferência ponderaram, no entanto, que ainda pode levar uma década para o produto chegar ao mercado. O desafio é, justamente, criar uma pílula que não diminua o desejo sexual ou reduza ereções.

O medicamento à base de andrógeno apresentou resultados promissores nos primeiros testes de segurança da chamada “fase 1”. Os espermatozóides são produzidos de forma constante em homens férteis e são desencadeados por hormônios. Como bloquear temporariamente essa produção, sem criar efeitos colaterais indesejados, é o problema a se resolver.

Os efeitos colaterais apresentados pelos homens que fizeram parte do estudo incluem relatos de diminuição moderada do desejo sexual, acne, fadiga e dor de cabeça. Nenhum deles, no entanto, relatou diminuição da atividade sexual em si ou parou de tomar a pílula por conta dos efeitos.

“Nossos resultados sugerem que esta pílula, que combina duas atividades hormonais em uma, diminuirá a produção de espermatozóides preservando a libido”, explicou a professora Christina Wang, uma das médicas envolvidas na pesquisa.

Comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Tapiraímg TV