Julgamento

Mulher que matou síndica na noite de Natal será julgada em MG

Foto: Reprodução

A mulher que assassinou a síndica do prédio onde morava no bairro Parque São José, na região Oeste de Belo Horizonte, em plena noite de Natal, em 2017, será julgada nesta  segunda-feira (15), no 2° Tribunal do Júri da Capital.

O crime aconteceu depois que a síndica, de 37 anos, ciente do histórico de maus tratos da vizinha contra os próprios filhos, foi ao apartamento da mulher para saber o porquê da criança de dois anos, que vivia com a agressora, não parar de chorar. À época, a autora do crime tinha 27 anos e seu bebê foi levado pelo Conselho Tutelar.

Segundo a denúncia feita pelo Ministério Público, a agressora desferiu uma facada no pescoço da síndica. A vítima morreu ainda a caminha do Hospital João XXIII.

Desde então, a mulher está detida na penitenciária Jason Soares Albergaria, em São João de Bicas, na região Metropolitana de Belo Horizonte. Ela foi denunciada por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil. A autora também responderá por ter ameaçado um vizinho após o crime. Durante o julgamento, nove testemunhas serão ouvidas.

Relembre o caso

Na noite do Natal de 2017, a síndica do prédio, mãe de um bebê de um mês e meio e de um menino de 12 anos, incomodada com o choro ininterrupto do filho da vizinha, interfonou para saber o que estava acontecendo. As duas discutiram e a síndica subiu até a residência. Lá, a agressora a recebeu com golpes de faca.

À época, vizinhos afirmaram à Polícia Militar que o crime teria sido premeditado, uma vez que a agressora teria dito à síndica que ela poderia ir até seu apartamento: "sobe que a porta está aberta". No entanto, a autora do crime contou que estava cozinha e, no momento do desentendimento, teria sido empurrada pela vítima. Por reflexos, ela teria desferido facadas contra a mulher.

O filho de 12 anos da síndica presenciou a mãe ser esfaqueada e morta. Mesmo em estado de choque, ele conseguiu gritar por socorro. Testemunhas informaram que a agressora tentou fugir com seu filho de dois anos no colo, levando a faca do crime, mas foi imobilizada pelos vizinhos. Um deles foi agredido com uma mordida no braço ao impedir que ela se retirasse.

Histórico

Durante depoimento, a autora admitiu ser usuária de drogas e contou que sofria preconceito dos outros moradores, não sendo convidada sequer para as reuniões de condomínio.

Apesar dos desentendimentos com os vizinhos, a suspeita e seu marido ostentavam armas e dinheiro nas redes sociais. Em uma das fotos, ela reproduzia uma cena em que a famosa personagem Bibi Perigosa, interpretada pela atriz Juliana Paes em "A Força do Querer", aparece deitada e coberta por notas.

Comentários

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Tapiraímg TV